Início / Literatura / Resenhas de Livros / Resenha | Gaian – O Reinício, de Cláudio Almeida

Resenha | Gaian – O Reinício, de Cláudio Almeida

“Gaian, o reinício” é uma fantasia épica e narrará os últimos acontecimentos da Sétima Era daquele mundo que revelaram o nascimento de uma guerra, a queda do grandioso Reino do Norte e o reaparecimento dos guerreiros sagrados, um grupo destinado a combater o mal que trará, a cada povo de Gaian, desespero, dor, pavor e morte e deseja acima de tudo a destruição. Quais escolhas devem ser feitas? O que importará mais? A força ou a sabedoria? Quais serão os caminhos dos guerreiros sagrados diante dos desafios? Haverá ainda espaço nas almas para a esperança?
Seja bem-vindo a Gaian. Um livro sobre perda, poder, pureza, vingança, aprendizado, medo e sobretudo crescimento. Um livro onde o passado, o presente e o futuro se encontrarão para formar o destino.

Resenha

“É verão e na pacata e pequena Arinon – uma das várias cidades de Gaian, um planeta vasto e belo, onde diversos povos vivem em recente harmonia – os cidadãos se preparam para uma grande colheita e para a Festa Anual Fennit. Mas em meio a essa paz, daquele ano de uma era longínqua, surge um rumor brando de que estaria acontecendo uma guerra no Reino do Norte.

Poucos acreditam, mas Elhen, o líder da cidade, crê que algo grave está acontecendo e convoca uma reunião. Nela, ele tenta convencer seus conselheiros sobre a necessidade de mudanças na cidade, mas seus auxiliares acham as ideias desnecessárias. Temendo pelo pior, ele revela um terrível presságio que tivera através de sonhos e consegue marcar outra reunião.

Todos os conselheiros e os anciões do local são convocados para o importante encontro que ocorrerá na manhã seguinte à Festa. Nesse curto espaço de tempo, coisas surpreendentes acontecem: uma fantástica e brutal batalha em um dos campos de trigo de Arinon entre quatro comparsas e um misterioso e poderoso guerreiro; a antecipação da reunião do Conselho; a confirmação de que há uma guerra no Reino do Norte causada por um antigo e terrível mal que se levantou silencioso, trazendo consigo um exército gigantesco, a crueldade, a traição, e a morte; a revelação do ressurgimento de uma antiga e poderosa classe de combatentes destinada a combater esse mal, os guerreiros sagrados; e o motivo da chegada do guerreiro misterioso à Arinon. Terríveis, preocupantes e esperançosas notícias.

A partir de então jornadas são iniciadas e desafios serão encontrados, onde caminhos serão separados ou unidos, arqui-inimigos se encontrarão e se enfrentarão em batalhas surpreendentes e imprevisíveis, cidades distantes e belas serão conhecidas, e um encontro ancestral e perigoso acontecerá, revelando segredos e mudando os destinos que decidirão a história em Gaian.”

Gaian, O Reinício é um livro de fantasia surpreendente, é a famosa jornada do herói em sua melhor essência, é um belíssimo RPG nos levando a uma fantástica e incrível aventura Tolkiana.

A história já começa com uma batalha onde vemos a guerreira Erion ser derrotada por um exército de lobisomens, mas não sem antes ajudar na fuga dos outros paladinos, entre eles seu amado Arffeck, que estava ferido. A princípio imaginei ser ela a protagonista do enredo, o que seria bem legal, pois a primeira impressão que tive era de que ela era uma personagem muito interessante. E, após uma breve introdução sobre a guerra e seus guerreiros, o autor nos leva a Arinon, um pacato vilarejo que não sabe o que lhe aguarda.

Erion, ao lado da porta da sala do trono, pediu que os dois paladinos parassem. Ela colocou sua mão dura na parede próxima e apoiou-se. Seu corpo estafado pesava tremendamente. Sua visão só lhe mostrava manchas em movimento. A batalha estava em andamento. Erion então sentiu o peso de sua derrota sobre os ombros. Ela não queria ser um estorvo! Ela não queria os olhares de piedade! Então, com a voz rouca e baixa, a paladina ordenou que os dois guerreiros fossem à luta. Eles relutaram, mas, ao verem a batalha crescer, foram em auxílio aos seus amigos.

O curioso nesse livro é o estilo narrativo empregado, me lembrou bastante o Tolkien e suas excessivas e detalhadas descrições do ambiente e dos personagens, sendo que a diferença básica é que o Cláudio torna essa descrição menos enfadonha, por serem mais poéticas e curtas que as do autor do Senhor dos Anéis. E quando falo “poéticas” não estou exagerando, os escritos são bem poéticos realmente.

Posso ver a tempestade no horizonte e sentir toda sua força. Ouço ruídos estrondosos no céu. É a vida lutando contra a morte. São aqueles que combatem os terríveis – implacáveis e cruéis – que os desafiam com raios e tormentas. Eis nobres guerreiros – livres e heróis – que carregam o ideal e a força em seus corações.

A história toda gira em torno da jornada de descoberta dos guerreiros sagrados, que são guerreiros que reencarnam quando uma grande guerra está por vir.

Clique se quiser conhecer o nome dos guerreiros sagrados!

Partindo com o camponês Heim, e depois com a guerreira Brisrar, o paladino Arffek sai em busca dos outros guerreiros por Gaian. Em certo momento eles encontram o guerreiro que, na minha opinião, é o personagem que tem as características e o nome mais interessante: o príncipe bárbaro Ulthigar. E a partir daí restam apenas mais três guerreiros, que devem surgir no próximo volume.

No decorrer da jornada vemos um mundo repleto de guerreiros, magos, dragões e lobisomens. É um livro de fantasia onde o destaque fica por conta das inúmeras batalhas, todas bem detalhadas e longas, o que é bom até certo ponto, mas pode irritar alguns menos pacientes.

Com relação ao design gráfico, a capa foi bem pensada e as ilustrações encontradas a cada capítulo, que retratam partes da história, demonstram um nível de detalhamento belíssimo. E na revisão, não encontrei nenhum erro relevante. Ah, e a gente ainda encontra alguns apêndices com mais detalhes sobre a história de Gaian, os nomes dos personagens presentes no livro, as magias utilizadas e os mapas da região.

Então, no geral Gaian é um excelente livro de fantasia, vale muito a pena para quem curte o gênero e quer se divertir com uma aventura bem instigante.

"Gaian, o reinício" é uma fantasia épica e narrará os últimos acontecimentos da Sétima Era daquele mundo que revelaram o nascimento de uma guerra, a queda do grandioso Reino do Norte e o reaparecimento dos guerreiros sagrados, um grupo destinado a combater o mal que trará, a cada povo de Gaian, desespero, dor, pavor e morte e deseja acima de tudo a destruição. Quais escolhas devem ser feitas? O que importará mais? A força ou a sabedoria? Quais serão os caminhos dos guerreiros sagrados diante dos desafios? Haverá ainda espaço nas almas para a esperança? Seja bem-vindo a Gaian. Um…

Gaian - O Reinício

Capa & Diagramação
Narrativa & Diálogos
Enredo
Personagens
Revisão

Excelente!

No decorrer da jornada vemos um mundo repleto de guerreiros, magos, dragões e lobisomens. É um livro de fantasia onde o destaque fica por conta das inúmeras batalhas, todas bem detalhadas e longas, o que é bom até certo ponto, mas pode irritar alguns menos pacientes. É um excelente livro de fantasia, vale muito a pena para quem curte o gênero e quer se divertir com uma aventura bem instigante.

Sobre Cleson Cruz

Sou potiguar com muito orgulho, pai e marido. Engenheiro Eletricista e Designer Gráfico de formação. Gosto muito de música e cinema. Sou viciado em séries de tv. E leio muito quadrinhos e livros desde a minha tenra infância.

Leia Também

Resenha | Anjos – A Facção Iconoclasta, de Wudson Silva

O livro inicia por narrar os dias que antecederam a investigação sobre a morte de …

Resenha | O Feiticeiro de Terramar, de Ursula K. Le Guin

Há quem diga que o feiticeiro mais poderoso de todos os tempos é um homem …