Início / Literatura / Resenhas de Livros / Resenha | Jogos Mentais, de Teri Terry

Resenha | Jogos Mentais, de Teri Terry

Jogos MentaisLuna vive em um mundo em que, todos os dias, milhares de pessoas se plugam a uma realidade virtual onde podem fazer tudo: se divertir, ir às compras ou estudar. Porém, ao se conectar, ela é capaz de vivenciar os dois mundos ao mesmo tempo, uma habilidade muito rara que ela deve manter em segredo. Mas ao ser convocada para um importante teste na escola, Luna sente que seu segredo poderá ser revelado.

A partir daí uma série de estranhos acontecimentos a levam a questionamentos e descobertas inusitadas sobre os dois mundos. Agora ela precisará decidir o que fazer, pois as suas escolhas terão consequências incalculáveis para todos! Da mesma autora da premiada série Reiniciados, Jogos Mentais irá levar você por uma trama envolvendo Hackers, conspirações e grandes corporações do governo, fazendo-o acessar mundos que escondem verdades surpreendentes.

Resenha

Trama inteligente e única. Personagens marcantes e história ao mesmo tempo complexa e de simples entendimento. Trama envolvente que tira o leitor de sua zona de conforto e o faz questionar o que lê e até o que sabe. Reviravoltas estonteantes e capaz de gerar um certo desconforto acerca do futuro e das consequências de se dominar a tecnologia (ou se deixar dominar por ela?). Este é Jogos Mentais.

Luna é uma garota diferente. Num futuro onde a terceira guerra mundial já aconteceu e a tecnologia está presente em níveis que hoje só poderíamos conhecer via imaginação, ela é diferente por não ser tão nerd, por não estar o tempo todo conectada, por não querer ser mais uma no meio.

Mas Luna não prefere ficar fora de toda a onda tecnológica em que todos vivem. Ela tem sensações e vivências diferente de outras pessoas quando conectada e isso não lhe soa bem. Em especial porque sua avó, que possui já uma certa inconstância de consciência de realidade, sempre lhe alerta: Luna, tome cuidado! – Será que tem a ver com a morte de sua mãe?

Porém Luna não consegue fugir o tempo todo. A tecnologia a cerca e praticamente a ordena. Tanto ordena que ela é escolhida para realizar testes de inteligência e de racionalidade. Afinal, as guerras que devastaram o mundo antes da atual realidade foram travadas por pessoas extremamente inteligentes, porém nada racionais. Ser inteligente e racional é obrigatório para alcançar patamares mais elevados de conhecimento e profissão. Luna gostaria de ficar quietinha em seu mundo. Mas as coisas nem sempre são como gostaríamos, não é?

Jogos Mentais é um livro muito inteligente. Consegue inter-relacionar tecnologia, relacionamentos, emoções, desenvolvimento pessoal, muita conspiração, jogos de interesse em uma trama muito bem amarrada. Como uma teia mesmo. Muitos fios, muitas ligações, mas que no final geram uma harmonia bacana de se ver.

Os personagens são incríveis. Uns apaixonantes, como Luna (mal de nome? Deve ser. E sim, faz alusão à Luna de HP. Mas só vai saber porque ela se chama Luna se ler o livro!), Hex ou Gecko. Outros que enganam pelo nome e sorriso maroto. E outros ainda que te deixam com a pulga atrás da orelha na primeira fala e que depois te provam que realmente não são confiáveis. Enfim, um grupo de tirar o chapéu.

A ambientação foi um espetáculo à parte. É que é assim. Como você descreveria o vácuo? Então. Complexo… eu sei. Mas Teri o fez de tal forma que, puxa, me senti lá! Naquele nada imensurável.

E não só. São vários ambientes. A realidade, o vácuo, o virtual e algumas bizarras junções. Duas realidades, ou dois ambientes virtuais juntos, ou ainda uma mistura inconsistente de realidade e virtual. É. Haja controle de palavras para fazer o leitor entender e se sentir dentro de cada um destes ambientes. Teri consegue.

Enfim. Acho que deu para notar que amei a obra. Realmente muito bem escrito. Do começo ao fim, e quando digo fim, incluo os “agradecimentos”. Sim. Leia também os agradecimentos. É bacana tal qual aquelas cenas extras que fazem a gente ficar sentado na poltrona do cinema até que os últimos créditos desapareçam e as luzes se acendam.

Sobre a publicação: A Farol Literário fez um trabalho bem feito na tradução e revisão da obra. Não encontrei erros e a linguagem está extremamente clara. A fonte se apresenta em tamanho ideal para longas leituras. Só não gostei da capa. Ela remete a uma história mais seca, séria e densa. O que tem dentro é fluído, ágil, quase que maleável, quase uma experiência tridimensional.

Luna vive em um mundo em que, todos os dias, milhares de pessoas se plugam a uma realidade virtual onde podem fazer tudo: se divertir, ir às compras ou estudar. Porém, ao se conectar, ela é capaz de vivenciar os dois mundos ao mesmo tempo, uma habilidade muito rara que ela deve manter em segredo. Mas ao ser convocada para um importante teste na escola, Luna sente que seu segredo poderá ser revelado. A partir daí uma série de estranhos acontecimentos a levam a questionamentos e descobertas inusitadas sobre os dois mundos. Agora ela precisará decidir o que fazer, pois…

Jogos Mentais

Avaliação

Excelente

Luna vive em um mundo em que, todos os dias, milhares de pessoas se plugam a uma realidade virtual onde podem fazer tudo: se divertir, ir às compras ou estudar. Porém, ao se conectar, ela é capaz de vivenciar os dois mundos ao mesmo tempo, uma habilidade muito rara que ela deve manter em segredo. Mas ao ser convocada para um importante teste na escola, Luna sente que seu segredo poderá ser revelado.

Sobre Nadja Moreno

Blogueira amante de livros. Sempre em busca do mais e melhor, em tudo.

Leia Também

Resenha | Alice e as armadilhas do outro lado do espelho, de Mainak Dhar

Você está pronto para as armadilhas do outro lado? Mais de dois anos se passaram …

Resenha | HQ O Perfuraneve

Considerada uma das melhores HQ’s de ficção científica, a trama de O Perfuraneve se passa …