Início / Literatura / Resenhas de Livros / Resenha | Mago – Espinho de Prata, de Raymond E. Feist

Resenha | Mago – Espinho de Prata, de Raymond E. Feist

.inddDurante quase um ano, a paz reinou nas terras encantadas de Midkemia. Porém, novos desafios aguardam Arutha, o Príncipe de Krondor, quando Jimmy, a Mão – o mais jovem larápio do Zombadores, a Guilda dos Ladrões – surpreende um sinistro Falcão Noturno prestes a assassiná-lo. Que poder maléfico fez com que os mortos se levantassem para combater em nome da Guilda da Morte? E que magia poderosa poderá derrotá-los? Mas primeiro o Príncipe Arutha, na companhia de um mercenário, um bardo e um jovem ladrão, terá que fazer a viagem mais perigosa da sua vida, em busca de um antídoto para o veneno que está prestes a matar a bela Princesa no dia do seu próprio casamento.

Resenha

Para mim, Mago – Espinho de Prata se revelou a melhor obra da série até o momento. Dinâmico, intenso, aterrorizante em algumas passagens, cômico em tantas outras. Obra prima de fato!

Desta vez, a obra começa com um resumo dos livros anteriores! Achei mega bacana, porque a história é bem densa, com muitos personagens e muitos acontecimentos. Guerras, lutas, conspiração e política de reinos rechearam as páginas dos livros anteriores, e começar o terceiro com um belo resumo ajudou a inserir novamente a história toda em minha mente.

Tudo começa calmo, lindo. Parece um fofo livro de romance. Mas é claro que em breve muita coisa começa a acontecer e a calmaria desaparece para todo o sempre. De repente um ladrão se depara com um Falcão Noturno querendo matar o príncipe Arutha. Mais para frente a princesa é envenenada no dia de seu casamento. Daí pra frente, você leitor nem pode imaginar o que acontece.

Senti arrepios e calafrios em alguns pontos, porque a magia malévola agora é mais densa do que nos volumes anteriores. A descrição é mais ágil e vivencial. Dentre as situações mais assustadoras posso citar a Necromancia, muito presente nas páginas de Mago Espinho de Prata.

Ao mesmo tempo, achei muita graça de Jimmy, a Mão. O ladrão que quer ser Duque de Krondor! E será, baseado em tudo que ele fez neste livro. Em alguns momentos, ele se mostrou tão solícito, com tanta presença de espírito e agilidade de pensamento, estava nos lugares certos nas horas certas com tanta frequência que desconfiei dele. Sabe quando a esmola é grande demais? Mas, que bom, estava enganada e, pelo menos neste volume, ele estava sendo mesmo extremamente fiel ao príncipe. Ele é muito engraçado e divertido. Adorei seu personagem.

Os cenários mais uma vez são bem descritos e inserem com facilidade o leitor no ambiente. Também as lutas e batalhas o são. Senti asco de alguns seres citados, e mega curiosidade com outros. É uma fantasia bem populosa esta série, nos apresentando um autor muito criativo e dono de uma mente colorida!

Bom, senti falta de Pug durante muitas páginas mas eis que ele surge no final e mostra toda sua grandiosidade e inteligência. É incrível a transformação e crescimento deste personagem. Agora ele é sério e cauteloso. Inteligente e sagaz. Sua aparição em determinado momento remonta uma magia do primeiro volume que deixa claro seu amadurecimento. Perfeito!

O contexto deste volume é quase todo resolvido, deixando uma lacuna importantíssima para o próximo volume. Perguntas surgem e precisam ser respondidas, antes que o leitor perca sua sanidade! Ansiosa pelo quarto volume.

A diagramação é perfeita, sem erros ou falhas. As páginas novamente são bem finas, sem ser transparentes, e com a cor amarelada que contribui muito para a leitura confortável. Parabenizo novamente a Editora.

Em suma, é uma série imperdível. Os amantes da fantasia não poderão deixar de conhecer tantos heróis fascinantes. Quem ainda não ama, penso que poderá encontrar argumentos mais que suficientes nestas páginas para inserir este gênero entre os seus favoritos!

Sobre Nadja Moreno

Blogueira amante de livros. Sempre em busca do mais e melhor, em tudo.

Leia Também

Resenha | Anjos – A Facção Iconoclasta, de Wudson Silva

O livro inicia por narrar os dias que antecederam a investigação sobre a morte de …

Resenha | O Feiticeiro de Terramar, de Ursula K. Le Guin

Há quem diga que o feiticeiro mais poderoso de todos os tempos é um homem …