Início / Literatura / Resenhas de Livros / Resenha | Prenda-me, Por Favor!, de Catharina Ingelman-Sundberg

Resenha | Prenda-me, Por Favor!, de Catharina Ingelman-Sundberg

No Lar Diamante, uma casa de repouso em Estocolmo, moram Martha, uma adorável senhora de 79 anos, e seus amigos Anna-Greta, Stina, Krattan e Snillet, todos na mesma faixa etária. Depois que o local é vendido, a nova administração torna as coisas bem complicadas: o tratamento recebido pelos idosos está horrível, a comida é racionada e de péssima qualidade, a rotina está tediosa, e nem sair para se exercitar eles podem mais. Ninguém aguenta mais ficar ali. E Martha fica imaginando que eles estariam muito melhor se fossem para a prisão sueca… Que, aliás, ela pensa, é uma ótima solução!

O grupo, então, se reúne e planeja um grande roubo, que deverá garantir que todos sejam condenados. Com o assalto perfeito combinado, eles escapam do asilo e a aventura começa. Porém, nem tudo ocorre como o planejado, e logo eles se veem envolvidos em uma trama inusitada, que poderá fazê-los conseguir a tão sonhada vida melhor. Atrás das grades…

——

Resenha

Em Prenda-me, por favor!, um best-seller em mais de 16 países, conhecemos a rotina de um asilo para idosos e como eles se sentem vivendo no abrigo. Conhecemos Martha (79), Snillet (78), Anna-Greta (81), Stina (77) e Krattan (84), que vivem no Lar Diamante S/A e não estão nem um pouco satisfeitos com o tratamento que estão recebendo por lá. Após assistir um documentário sobre a vida nos presídios de Estocolmo, Martha percebe que a vida dos presos é bem melhor que a sua e de seus amigos. Então ela tem a brilhante ideia de realizar um grande roubo, para assim serem presos e terem uma qualidade de vida melhor. Mas as coisas não acontecem exatamente como eles planejaram…

 – Você sabe, estou pensando em uma coisa. Na prisão, as pessoas são autorizadas a sair para tomar ar fresco ou para tomar sol todos os dias, mas nós, aqui, quase nunca saímos.

Assim começa uma história bem inusitada, onde cinco simpáticos velhinhos membros de um grupo de coral, retomam o controle de suas vidas e resolvem mudar o seu rumo para melhor.

A aventura destes velhinhos poderia muito bem ser transportado para os cinemas, seria uma divertida comédia que nos faria refletir bastante sobre o que nós fazemos com nossos idosos, e o que poderemos fazer quando chegarmos nesta idade.

A gente percebe que a autora se preocupou em dar a cada personagem uma personalidade só sua, e que em grupo funcionam muito bem, permitindo que cada um possa contribuir bem com a história. Martha é a líder do grupo, sempre com sugestões inteligentes, mas que em alguns momentos são também ingênuas; Snillet é o técnico da “gangue”, responsável pelas engenhocas mecânicas e elétricas dos planos; Krattan é um ex-marinheiro, é o braço forte do grupo, o machão; Stina é aquela mandona que não gosta de ser contrariada, e vez por outra percebe algo não percebido antes pelos outros; e por fim Anna-Greta, uma ex-bancária que ajuda o grupo com a parte financeira, quase sempre tirando a grana do próprio bolso.

– Um roubo por dia dá saúde e alegria!

Em terceira pessoa, o livro mostra o que cada um dos personagens pensa e como agem, não foca apenas nos idosos, mas também mostra como pensa e age a polícia, os funcionários do abrigo, etc. Os muitos capítulos do livro são curtos e fluem muito bem, a leitura torna-se rápida e prazerosa.

A grande sacada da autora foi fazer com os velhinhos cometessem um crime quase perfeito e a polícia (e também as vítimas) não acreditassem que tivessem sido eles, afinal quem acreditaria que simpáticos velhinhos octogenários de andadores arquitetariam planos criminosos de forma tão genial e cheia de detalhes como eles fizeram.

O livro possui suspense, humor, aventura e um romance da terceira idade bem fofo de se ver, tudo isso na medida certa. Também é muito interessante ver o quanto eles são inteligentes ao arquitetarem planos incríveis, mas também o quanto são ingênuos de não pensarem em alguns pequenos detalhes. Em alguns momentos me peguei imaginando se serei tão ativo assim quando eu chegar na idade deles, ou deixarei a vida passar a minha frente sem fazer nada.

Martha e Snillet olharam um para o outro e sorriram. Depois de cada nova aventura planejada, eles se sentiam ainda melhor. E o que mais os estimulava eram os desafios. Qualquer dia iriam atacar de novo. Já estava próximo.

Com relação a capa, o design foi muito bem feito, com os elementos muito bem colocados, apesar de ter gostado mais da capa da edição sueca, que pus logo abaixo para comparação. Já a diagramação em si, a tipografia electra e o papel pólen (aquele amarelado) casaram muito bem com os espaçamentos, deixando a leitura bem agradável.

Algo que me chamou a atenção foi o título: Prenda-me, por favor! Acredito que a editora foi muito feliz na escolha, pois ficou bem melhor que a versão sueca, que seria Café com roubo, e mais ainda do que a versão alemã: Estamos apenas começando. (abaixo o booktrailer destas duas versões)

Com relação a revisão, verifiquei alguns erros gramaticais, mas nada significativo que atrapalhasse o entendimento. Já com a tradução, algo me encucou, me pareceu estranho a repetição da palavra Gangue, ora para Gangue do Coral ora para Gangue dos Aposentados. Para nós brasileiros, acredito que seja incomum tratar “gangue” como “grupo” ou “turma”, só falamos essa palavra quando nos referimos a criminosos. Fazendo uma pesquisa, descobri que a palavra sueca gänget é usada tanto para “turma” quanto para “gangue” de criminosos, então talvez a autora tenha feito um jogo de palavras que só faz sentido no sueco. Então se eu não estiver enganado, faria mais sentido pra gente se fosse traduzido como Turma do Coral e não Gangue do Coral. Mas é só um achismo, não li o livro em sueco e nem sou tradutor. 🙂

Então é isso, é um livro que vale muito a pena ser lido, é uma história leve, criativa e divertida para todas as idades. Com certeza é uma leitura que surpreenderá do início ao fim, inclusive com um epílogo bem hilariante.

——

Ficha técnica

Título: Prenda-me, por favor (Kaffe med ran, no original)
Autor(a): Catharina Ingelman-Sundberg | Tradução: Jaime Bernardes
Editora: Gutenberg
Editora origem: Forum Bokförlaget
Edição: 1ª Impressão
Gênero: Suspense/Comédia/Policial/Ficção sueca
Ano de publicação: 2013
Quantidade de páginas: 333

 

——

Booktrailer Sueco – Kaffe med rån (Café com roubo)

Booktrailer Alemão – Wir fangen gerade erst an (Estamos apenas começando)

Sobre Cleson Cruz

Sou potiguar com muito orgulho, pai e marido. Engenheiro Eletricista e Designer Gráfico de formação. Gosto muito de música e cinema. Sou viciado em séries de tv. E leio muito quadrinhos e livros desde a minha tenra infância.

Leia Também

Resenha | Não Fale Com Estranhos, de Harlan Coben

O estranho aparece do nada e, com poucas palavras, destrói o mundo de Adam Price. …

Resenha | Marvel: Guerra Civil, de Stuart Moore

A épica história que provoca a separação do Universo Marvel. Homem de Ferro e Capitão …