Início / Literatura / Resenhas de Livros / Resenha | Sepulcro, de Kate Mosse

Resenha | Sepulcro, de Kate Mosse

Sepulcro, segundo livro da trilogia de Kate Mosse, tornou-se imediatamente um best-seller, seguindo a trajetória de seu antecessor, Labirinto. Alcançou o primeiro lugar na lista do Reino Unido e de vários outros países como Canadá, França e Itália. Atualmente a autora negocia os direitos de adaptação para o cinema dos dois livros.

Em Sepulcro, duas histórias paralelas estão separadas por mais de um século. Em outubro de 1891, a jovem Léonie Vernier e seu irmão Anatole saem apressadamente de Paris para o Domaine de la Cade, a imponente propriedade da família de sua mãe, próxima da cidadela medieval de Carcassonne. O rapaz corre risco de vida e divide um segredo com sua tia Isolde, que mora no local. Logo, Léonie também terá seu segredo guardado sob a copa das árvores das florestas escuras da região, dentro da sinistra câmara mortuária que ali se esconde desde tempos imemoriais. E cuja chave é um baralho de tarô muito particular, de poder inimaginável.

Mais de cem anos depois, em outubro de 2007, a bordo de um trem recém-saído de Paris, Meredith Martin tem muito sobre o que refletir. O que a leva ao exclusivo Hotel Domaine de la Cade parece ser apenas a pesquisa de uma biografia do compositor Claude Debussy. Mas ela sabe que há mais: o desejo de descobrir as origens de sua família, que parecem remontar à misteriosa região. A velha partitura de piano amarelada e as fotos antigas que foram só o que sua mãe lhe deixou são a única chave de que dispõe. E as cartas, em que até então nunca acreditara.

As encruzilhadas que ligam Léonie e Meredith são o grande mistério de Sepulcro. Os antigos enigmas que as cercam – se desvendados – podem levar a um grande tesouro, de serenidade e crescimento pessoal. Afinal, em Carcassonne “nenhum contador de histórias fica sem inspiração e nenhum visitante consegue escapar ao charme, à beleza e ao esplendor de um paraíso natural esculpido pelo tempo”, revela Kate Mosse.

Resenha

Quando Meredith resolve escrever a biografia de Debussy, músico e compositor Francês, ela parte para Rennes-les-Bains, uma Vila do Sul da França e é nessa viagem que Meredith descobre ligações da sua vida familiar com acontecimentos do passado.

Assim duas estórias em dois tempos diferentes se encontram e dão seguimento a essa elaborada trama.

O livro todo gira em torno das cartas de Tarô, que tem início quando Meredith de maneira quase forçada se vê em frente a uma cartomante, que fazendo a leitura, tenta mostrar a ela que seu presente está ligado ao século passado, em especial a uma jovem garota.

A narrativa é incrível, onde a autora aborda o sobrenatural e o espiritual, nos trazendo seres malignos que habitam nessas cartas que quando dispostas em um Sepulcro Visigodo, são invocados e assim dão início a vários acontecimentos.

Estória intensa e interessante, alguns acontecimentos são assustadores; os personagens são fascinantes, desde a doce e sonhadora Léonie até o obsessivo e obscuro Victor Constant.

Mesmo sendo em dois tempos diferentes a leitura em nenhum momento se torna enfadonha, a autora nos prende a cada página, uma trama repleta de assassinatos, estórias de amor com finais tristes, perseguições e seres sobrenaturais.

Romance cheio de aventuras e descobertas inimagináveis.

Instigante!!!

Sobre Rê Souza

"As melhores viagens da minha vida eu fiz sem sair do lugar." "Uma paixão chamada livros" Rê

Leia Também

Resenha | Não Fale Com Estranhos, de Harlan Coben

O estranho aparece do nada e, com poucas palavras, destrói o mundo de Adam Price. …

Resenha | Marvel: Guerra Civil, de Stuart Moore

A épica história que provoca a separação do Universo Marvel. Homem de Ferro e Capitão …