Início / Literatura / Resenha | Um gato de rua chamado Bob de James Bowen

Resenha | Um gato de rua chamado Bob de James Bowen

bob

Sinopse
Quando James Bowen encontrou um gato ferido, enrolado no corredor de seu alojamento, ele não tinha ideia do quanto sua vida estava prestes a mudar. Bowen vivia nas ruas de Londres, lutando contra a dependência química de heroína, e a última coisa de que ele precisava era de um animal de estimação. No entanto, ele ajudou aquele inteligente gato de rua, a quem batizou de Bob (porque tinha acabado de assistir a Twin Peaks).

Depois de cuidar do gatinho e trazer-lhe a saúde de volta, James Bowen mandou-o embora imaginando que nunca mais o veria. Mas Bob tinha outras ideias. Logo os dois tornaram-se inseparáveis, e suas aventuras divertidas — e, algumas vezes, perigosas — iriam transformar suas vidas e curar, lentamente, as cicatrizes que cada um dos dois trazia de seus passados conturbados.
Um Gato de Rua Chamado Bob é uma história comovente e edificante que toca o coração de quem a lê.
 
Resenha
Um Gato de Rua Chamado Bob é um livro engraçado e emocionante. Em alguns momentos é difícil crer que é uma história real devido a tantos fatos inusitados que Bowen vive com seu gato adotado, o inteligente Bob.
 
Bowen é ex-morador de rua que agora está morando em um apartamento cedido pelo programa de recuperação de Londres. O livro conta sua história a partir do momento em que ele encontra o gato ferido nos corredores do prédio. Em sua narrativa, nos mostra que todo morador de rua tem seus motivos – mesmo que pareçam incoerentes e injustificados para quem está ‘olhando de fora’ – para estar na condição em que se encontra. Para cada um, o motivo era o motivo que faltava. Não acredito que nenhum deles viva assim por escolha deliberada, e o livro confirmou-me isto.
 
Seu relacionamento com o gato é verdadeiro e forte. Por diversas vezes cita os gestos de Bob “como se dissesse” algo. Quem tem animais de estimação certamente sorriem nestes momentos… É assim mesmo que acontece entre nós e estes animais. Outro detalhe interessante é a insistência de Bowen em tentar imaginar como teria sido o passado de Bob antes de se conhecerem. Também é fato esta curiosidade para quem tem, assim como eu, animaizinhos adotados já com algum tempo de vida. Há uma curiosidade genuína por saber que situações viveram e porque agem desta ou daquela forma. Bowen só me irritou com sua constante incerteza de que Bob iria ficar com ele.
 
Bob é incrível! Ajuda Bowen em suas apresentações e depois na venda de revistas para o sustento de ambos. Toma suas próprias decisões e escolhas, vê TV (!?!) e é um companheiro inigualável. Na página 214 ele faz algo que custei a acreditar. Ainda não sei se acredito. Porém o livro é todo real, o que me força a crer, mas ainda não me decidi a tal. Sei lá!
 
A diagramação é muito boa. Alguns capítulos grandes, mas como são divididos em cenas, não foi um problema. Nas palavras ‘grosseiras’ as mesmas são redigidas com símbolos, adorei este cuidado, não sei se da edição original ou da tradução da editora, mas para mim ficou extremamente bacana. Odeio ler certas palavras. A redação é fluída, bem escrita, tocante. Várias vezes fechei o livro para olhar a carinha de Bob na capa.
 
Após a leitura fui procurar os vídeos do Youtube citados no livro, e os encontrei! Não sei se os originais ou feitos após o sucesso do livro, mas o fato é que ver imagens reais daquilo que eu havia acabado de ler foi um complemento fascinante da leitura. Eu recomendo.

Sobre Nadja Moreno

Blogueira amante de livros. Sempre em busca do mais e melhor, em tudo.

Leia Também

Resenha | O Quarto Dia, de Sarah Lotz

Em O Quarto Dia, Sarah Lotz conduz o leitor por uma viagem de réveillon que …

Resenha | Não Fale Com Estranhos, de Harlan Coben

O estranho aparece do nada e, com poucas palavras, destrói o mundo de Adam Price. …

  • REGULAMENTO DO “IX CONCURSO PLÍNIO MOTTA DE POESIAS”

    A Academia Machadense de Letras (Machado-MG / Brasil) comunica a realização em novembro de 2013 de seu IX Concurso de Poesias. As inscrições encerram-se no dia 14 de outubro (2013). Para receber gratuitamente o regulamento em arquivo PDF, entre outras informações, favor entrar em contato através do e-mail: machadocultural@gmail.com

    Obs (PS): O tema é livre e aberto a todos de Língua Portuguesa e Espanhola e a taxa de inscrição é de R$5,00 pode ser enviada dentro do envelope.

    Favor verificar o recebimento do regulamento em pdf e jpeg. Estarei aqui para novos esclarecimentos. Caso sua poesia seja classificada e você não puder aparecer, a Academia indicará um membro para declamá-la.
    O concurso será realizado no dia 09 de novembro, às 20:00hs no Anfiteatro da Prefeitura Municipal de Machado-MG.

    • Nadja Moreno

      Que bacana! Machado é super perto de minha cidade. Vou ajudar a divulgar. 😀

      Abraços.

  • Ah estou ansiosa para ler este livro, ele já me olha de banda na minha estante…rs
    Espero gostar tanto quanto minha parceira Nadja gostou.
    Amo livros com histórias reais e ainda mais com animais.

    beijos
    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

  • Nadja Moreno

    Oi Letícia!

    Que bacana ver você por aqui, muito obrigada pela visita. 😀

    Leia logo porque estou doida para ler a sua resenha. 😀

    Beijos!

  • Fabíola Nunes

    Eu estou extremamente "louca" para ler este livro. Sou simplesmente apaixonada por felinos! hahaha e tenho certeza de que vou me deliciar a cada página! Já leu "A odisseia de Homero"? Que conta a história (real) de um gatinho cego, é incrível. Enfim, Um gato de rua chamado Bob está no topo da minha wishlist.

    • Olá Fabíola, tudo bem?

      Obrigada por comentar em minha resenha.

      Não, não conheço A Odisseia de Homero e já me interessei, muito obrigada pela dica!!!

      Beijos. Volte sempre!

      Nadja Moreno

  • esse levro e muito muito bom
    livro-azul.blogspot.com.br

    • Olá Lucas, como vai?

      Sim, de fato é um livro muito bacana. 🙂

      Abraços, volte sempre!

  • Tânia Regina

    Uma amiga minha tinha um gato igualzinho e com o mesmo nome Bob. Ela morava comigo e quem acabava alimentando e cuidado dele era eu. Depois de um tempo ele era mais chegado a mim do que a ela. Sofremos muito quando ele sumiu.

    • Olá Tânia, tudo bem?

      Puxa vida, jura que ele sumiu? Que pena… Espero que consigam outro… São grandes companheiros. 🙂

      Beijos. Volte sempre.