Início / Literatura / Poesias / Resenha | O Pescador, de Marcello Silva

Resenha | O Pescador, de Marcello Silva

Palavras pescadas do âmago da rotina, sob uma óptica poética peculiar. O autor põe em suas metáforas, uma intensidade e uma verdade que chega a transbordar, pelas páginas, uma vontade de sermos o próprio texto.

Desde os devaneios de suas paixões, passando pela saudade da terra natal, até ao contexto social político, O Pescador navega em uma poesia bruta e sutil. Paradoxo? Simetria, talvez.

Ler esta obra é se apaixonar pela simplicidade que as metáforas ainda pode nos provocar na alma.

Resenha

Este é um livro diferente do que estou acostumado a ler e resenhar, é uma coletânea poética do autor Marcello Silva, um livro cheio da mais pura poesia e de algumas crônicas do cotidiano nordestino.

No prefácio do livro é dito que a imagem que mais representaria a obra seria um alpendre, onde no batente da porta estaria uma avó sentada tomando um café e comendo tapioca. É isso mesmo, e acrescento mais, ela estaria contando diversos “causos” vivenciados ou deliciosamente inventados por ela. Essa é a origem do autor, é a minha origem (mesmo que pouco intensamente vivida), é a origem de diversas pessoas que viveram verdadeiramente no interior nordestino (ou de qualquer outro interior), ou que apenas iam algumas vezes na sua infância. É uma viagem no tempo e espaço…

DNA

Tenho o sangue de gente guerreira
E a paixão obcecada pela vida
Mas me encontro parado na porteira
Do caminho que me guiará na ida
Na busca frenética do que quero
No sonho louco que me espera
Em paisagem perdida e derradeira
Pinto a bravura de meu povo
Na busca incessante pela vida inteira.

080908

O livro é dividido em seis partes: Eu Pescador, Paixões, Saudades, Social Político, Raízes e Devaneios. Esses são os temas predominantes em cada um de seus escritos e, em cada página de abertura do tema, vemos uma frase de algum grande inspirador, como por exemplo em “Saudades”: “O tempo não para! Só a saudade é que faz as coisas pararem no tempo.” – Mário Quintana. Ou em “Raízes”: “… troque suas folhas, mantenha suas raízes.” – Victor Hugo.

Com relação aos tipos literários, são basicamente poemas líricos, mas em alguns momentos também encontramos crônicas que poderiam ser classificados tranquilamente como poemas narrativos com “cara” de prosa.

Um coisa curiosa que percebi foi que ao final de alguns dos textos (não todos) encontramos uma sequência de seis números, observando bem, cheguei a conclusão de que são as datas de criação de cada um. O porquê de não colocar na forma tradicional (dia/mês/ano) não sei, mas achei interessante e até mesmo poético.

Com relação a capa, se pegou muito bem a ideia de “pescador de palavras” que o autor sugere. Vemos um cenário construído inteiramente por letras, onde uma pessoa observa uma jangada deslizando sobre um mar alfabético. Dentro do livro encontramos diversas ilustrações igualmente poéticas em alguns dos textos.

Bom, O Pescador é um livro que possui o poder de nos transportar pelo tempo e espaço através de sua linguagem simples e de metáforas bem elaboradas. É mesmo uma provocação em alguns momentos, nos fazendo querer poder voltar e fazer as coisas de forma talvez um pouco diferente, ou até mesmo nos fazendo reviver nossos próprios momentos. É uma obra que vale a pena ser lida e relida.

A DOR QUE UNE

Sobre o caixão de um ente querido
Duas famílias se reencontram
Unidos pela dor…
Antigos insultos esquecidos
Velhas diferenças amenizadas.

As lágrimas de agora
Inundam as mágoas de outrora
Abraçam-se como se nunca tivessem se renegado…

A cada aperto de mão;
A cada abraço;
A cada soluço.
O passado se afogava.

Poção – 130714

Palavras pescadas do âmago da rotina, sob uma óptica poética peculiar. O autor põe em suas metáforas, uma intensidade e uma verdade que chega a transbordar, pelas páginas, uma vontade de sermos o próprio texto. Desde os devaneios de suas paixões, passando pela saudade da terra natal, até ao contexto social político, O Pescador navega em uma poesia bruta e sutil. Paradoxo? Simetria, talvez. Ler esta obra é se apaixonar pela simplicidade que as metáforas ainda pode nos provocar na alma. Resenha Este é um livro diferente do que estou acostumado a ler e resenhar, é uma coletânea poética do…

O Pescador, de Marcello Silva

Avaliação

Muito Bom!

Palavras pescadas do âmago da rotina, sob uma óptica poética peculiar. O autor põe em suas metáforas, uma intensidade e uma verdade que chega a transbordar, pelas páginas, uma vontade de sermos o próprio texto.

Sobre Cleson Cruz

Sou potiguar com muito orgulho, pai e marido. Engenheiro Eletricista e Designer Gráfico de formação. Gosto muito de música e cinema. Sou viciado em séries de tv. E leio muito quadrinhos e livros desde a minha tenra infância.

Leia Também

Resenha | 1+1 – A Matemática do Amor, de Augusto Alvarenga e Vinícius Grossos

“Não lembro muito bem como eu e o Bernardo nos conhecemos. Até onde sei, ele …

Resenha | A Terra Inteira e o Céu Infinito, de Ruth Ozeki

Uma vez, um velho Buda falou: Para o ser-tempo, parado no cume da montanha mais …

  • Livro O Pescador

    Fantástico…. Adoramos a troca de ideias entre autor e leitor… Vivas!!!!

  • @Marcssilva @Chiado_Editora

  • @Chiado_Editora Resenha sensacional do @OPescador_Livro
    Vlw